Trilogia Millennium

18+

- ALERTA DE GATILHO –


Lisbeth Salander – de Stieg Larsson


Imagem: Google


Gostaria de fazer um pequeno comentário sobre a personagem principal da trilogia – LISBETH SALANDER.


É bastante curioso que quando pensamos em Lisbeth, logo vem na memória aquela mulher com moicano, tatuagens, muitos piercings, roupas pretas, correntes, e maquiagem preta e marcante nos olhos. Esse estilo é citado (no livro, pelo menos) como características de uma pessoa que não possui boa sanidade mental.


Além disso, é fácil encontrar na internet críticas à obra relacionando esse estilo de Lisbeth com as atitudes dela durante a trilogia como “coisa de delinquente ou coisa de quem possui transtornos mentais ou coisa de desajustada social”.


Mas no desenrolar da saga e com um olhar mínimo de empatia, pode-se compreender as atitudes de Salander como resultado dos abusos que sofreu desde criança e, principalmente, dos sistemas de saúde e judicial na sua adolescência quando foi internada e ficou mais de 300 dias imobilizada em uma cama, pois era agressiva e poderia fazer mal a si e para terceiros.


Uma pessoa que sua própria família (pai) agiu como fator de risco; que sofreu abusos psicológicos, físicos e sexuais; que encontrou pessoas que lhe fizeram mais mal do que bem durante a vida, sem poder confiar, sem poder contar; que denunciou várias vezes os abusos que sofrera à polícia e aos médicos, e estes não lhe deram ouvidos, alegando que se tratavam de fantasias.


Imagens: Google


Pudera! Precisou se virar sozinha, dar o jeito dela, defender-se e desconfiar de tudo e de todos. O estilo dela é uma armadura, pronta para a guerra. A guerra de uma heroína solitária contra uma rede de corrupção e abusos de poder, tráfico de mulheres e prostituição; contra uma sociedade cega, surda e muda, que enxerga apenas rótulo e estereótipo.


Agora acompanhe os resumos que preparei da trilogia inicial, as fotos que tirei dos meus livros e dvds. E, no final, conto como conheci a trilogia!



Os homens que não amavam as mulheres – Stieg Larsson


“Os homens que não amavam as mulheres” nos apresenta Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist. Salander é uma mulher, com vinte e poucos anos, com uma história de vida marcada pela violência doméstica e contra as mulheres, abusos físicos e sexuais e falhas no sistema judicial e de saúde aos quais foi submetida. Trabalha como investigadora em uma empresa de segurança, tem ótimas habilidades como hacker e excelente memória fotográfica. Mikael é um jornalista investigativo e, eu diria, muito curioso e com sede de justiça.


Nessa primeira aventura, os dois se juntam para investigar o desaparecimento de Harriet Vanger ocorrido em 1966. Entretanto, Henrik Vanger, seu tio, recebe todos os anos o mesmo presente que Harriet lhe dava antes de desaparecer. Dessa forma, Henrik contrata Mikael (e Salander) para essa investigação. E... uau! Que aventura.

Não vou revelar detalhes da aventura, mas, como o próprio nome do livro indica, vemos bastante violência contra às mulheres, crimes violentos e abusos físicos, morais e sexuais.


No livro, claro, existem muito mais detalhes do que no filme. E se você gosta desse tipo de leitura detalhada com essa temática, eu recomendo o livro. Se você não se importa de ver o filme antes de ler o livro, pode ser uma alternativa para testar se a saga te pega ou não.


Apenas o primeiro livro foi filmado em versão americana (2012), é estrelado por Rooney Mara e Daniel Craig e é mais fácil de encontrar para assistir. Mas eu confesso que prefiro muito mais a versão sueca (2009), estrelada por Noomi Rapace e Michael Nyqvist, que também deram sequência aos outros dois filmes (2009) suecos da trilogia. Talvez por ter visto os suecos primeiro, a Salander da minha vida é a Noomi Rapace hehe


Bom, a censura nos filmes é de 16 anos.

Observe sempre a censura antes de apertar o play!

Além disso, como disse antes, contém cenas e conteúdos sensíveis – ALERTA DE GATILHO. Então, filtre e avalie se essa saga é adequada para você neste momento.



A menina que brincava com fogo - Stieg Larsson

No segundo capítulo da saga, Salander desenrolou uma grana e ficou fora numa trip mundial por meses. A investigação sobre crimes contra mulheres continua na revista: exploração sexual e tráfico de mulheres.


Salander volta para Estocolmo para cuidar dos seus “negócios”, mas se vê sendo procurada pela polícia como suspeita de ter cometido 3 assassinatos. Mikael não mede esforços para ajudar a provar que ela é inocente e salvar sua vida.


O mistério em volta de Zalachenko começa a ser desvendado, assim como sua ligação com Salander e como ela foi parar no sistema - sendo internada em um hospital psiquiátrico e submetida a diversos absurdos e abusos.


Ainda cuidando dos seus “negócios”, Salander encontra Zalachenko. Mikael chega para ajudá-la e Lisbeth e Zalachenko vão para o hospital.


Outra aventura! E o mais impressionante é como Salander sai de sua cova.



A rainha do castelo de ar - Stieg Larsson

Mikael começa a escrever suas denúncias a fim de promover justiça a Salander utilizando documentos e relatórios e indica sua irmã como advogada de defesa, enquanto Lisbeth se recupera no hospital.


Zalachenko busca se livrar das acusações de tentativa de homicídio contra Salander e incriminar Niedermann, mas é assassinado no hospital (Finalmente! Você também comemorará). Mas o assassino não consegue chegar até Lisbeth, que também deveria ser silenciada, para que toda a podridão do sistema e da tal Seção ficasse encoberta. Os interessados nisso, esforçam-se para (re)carimbar o atestado de incapacidade mental de Salander e mantê-la internada em um hospital psiquiátrico.


O médico que tem cuidado de Lisbeth no hospital é procurado por Mikael e dão acesso a internet à ela, para que possa ajudar na construção da sua defesa.


Lisbeth Salander escreve sua autobiografia (que foi publicada) e é levada a julgamento.

Ela é inocentada devido a todos os abusos a que foi submetida desde os 12 anos. E em liberdade, consegue resolver os seus “negócios”.

Bem como, toda a rede de corrupção e segredos dos criminosos do clube Zalachenko vem à tona, a partir da publicação da revista Millennium.


A saga não é só sobre Salander. Descreve em detalhes uma rede criminosa envolvendo diversas autoridades e figurões. Nos filmes, tudo passa de forma mais pontual, mas nos livros existem muitos detalhes e personagens interessantes.


Lembre-se: não faça afirmações se espera respostas; faça perguntas!



Conheci a trilogia Millennium lá por 2011-2012, mas não pelos livros, pelos filmes. Não lembro muito bem como cheguei nesses filmes, mas assisti aos três filmes suecos e os recomendo muito. É uma série de suspense policial, com mistérios, crimes violentos e falhas dos sistemas de justiça, segurança, político e de saúde da Suécia que acarretam inúmeros problemas para os personagens da saga.


A trilogia é composta por:

1- Os homens que não amavam as mulheres

2- A menina que brincava com fogo

3- A rainha do castelo de ar


Infelizmente, Larsson faleceu logo que entregou os livros para a editora em 2004. E o autor David Lagercrantz deu continuidade a saga Millennium com mais três livros, que eu ainda não li e não vi o filme:


4- A garota na teia de Aranha

5- O homem que buscava sua sombra

6- A garota marcada para morrer


Eu tenho a trilogia dos livros do Larsson em um box especial e o primeiro livro do Lagercrantz. Tenho os 3 filmes suecos e o americano em DVD. Sim, eu gosto bastante dessa saga! Na verdade, gosto bastante dos 3 primeiros. Não tenho opinião ainda sobre 4, 5 e 6. Pretendo ler o 4 antes de adquirir o 5 e 6.



Já leu ou viu a saga Millennium? O que achou?



#livros #filmes #trilogia #millennium #StiegLarsson #danielcraig #noomirapace

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo